Quando fundamos a Audax Electronics, em 2012, nunca passou pela nossa cabeça que um dia chegaríamos a exportar.

Nossa principal preocupação era se conseguiríamos atingir faturamento que nos permitisse honrar com todos os compromissos. O tempo foi passando, obstáculos superados e um belo dia, através da Abilux, a qual já éramos associados, recebemos o convite para participar de uma apresentação do projeto Lux Brasil. Fui despretensiosamente ao encontro, pois não sabia muito bem o que esperar, era outubro de 2014.

Aquela reunião despertou em mim um chamado pelo desafio, de conquistar algo que parecia tão difícil, para alguns impossíveis, visto os depoimentos que vimos. Também pude perceber que haviam muitos recursos disponíveis às empresas participantes do projeto, e que poucos estavam utilizando.

Comecei, então, a frequentar com assiduidade as reuniões e fazer todas as lições de casa sugeridas, participar de treinamentos e palestras. Em 2015, após um tempo no projeto, surgiu uma vaga para participarmos da Lightfair International, em NY, pois uma empresa havia desistido de última hora. Não pensamos duas vezes e agarramos a oportunidade. O resultado não foi o esperado. Fizemos um bom estande é fato, porém, a pessoa que enviamos para participar não era a envolvida com o projeto, não tínhamos um material em inglês tão bom, não cumpríamos requisitos básicos de normativas e certificações dos USA e nem entendíamos a cultura do mercado.

A partir daí começamos a fazer a lição de casa. Me inscrevi em todos os treinamentos ao longo do resto do ano. Em 2016 tive, de fato, minha primeira oportunidade real de exportar. Era para um cliente no Peru. O primeiro contato foi via telefone e após evoluirmos as tratativas comerciais e técnicas, o cliente viajou para visitar a fábrica. O resultado foi que em junho daquele ano realizamos nossa primeira exportação.

Me inscrevi, ainda em 2016, em quatro missões empresariais: Paraguai, Bolívia, Peru e Argentina. Elas foram fundamentais para meu desenvolvimento e passar a limpo todos os erros que estávamos cometendo.

Ainda em 2016 trouxemos uma trainee do Peru, via AIESEC, uma vez que eu era a única pessoa fluente em Espanhol na empresa e precisávamos avançar mais. Meu plano era humilde: começar pela América do Sul e então, em cinco anos, tentar a entrada nos USA. Conclusão: não deu certo. Em novembro de 2016 começamos a tratativa com cliente que visitou a fábrica no mesmo mês e já começamos a movimentar amostras em janeiro de 2017.

Havia chegado, então, a hora de nos prepararmos para algo maior. Participamos, em 2017, de duas feiras: Strategies in Light e a Lightfair. Essas feiras foram extremamente importantes, pois iniciamos a negociação com um distribuidor e durante a Lightfair firmamos o contrato com eles. Começou, então, um trabalho de preparação enorme, para estarmos aptos a atender o maior mercado do mundo disponível. Modificamos nosso website, catálogos e especificações 100% em inglês, fizemos a certificação ETL para todos os produtos de linha.

Os investimentos começaram a aumentar. Viagens de duas semanas a cada três meses cortando os USA de ponta a ponta e visitando cerca de 20 clientes por viagem.

Já em 2018, mesmo passando a arcar com o custo da montagem do estande, continuamos a investir, pois acima de tudo, acreditamos no projeto e entendemos que o ponto de maturidade atingido até aqui não pode ser deixado de lado.

Feira SIL USA
Em 2018 já foram duas feiras nos USA, três viagens de prospecção, uma viagem à Argentina, uma feira na Colômbia por vir e pelo menos mais uma viagem de prospecção aos USA.

Este ano também concluímos a última etapa de nosso processo de internacionalização abrindo, oficialmente, nossa unidade de operações em Denver, USA, consolidando definitivamente a marca Audax Electronics no cenário internacional.

Como empresário, posso dizer que este também não é um caminho fácil nem rápido. A média de tempo para que os resultados comecem a aparecer com consistência são de quatro a cinco anos.

Porém, se puderem se preparar e montar uma estratégia de internacionalização com muito foco, dedicação e persistência, o resultado vem.

Hoje temos como objetivo duplicar o tamanho da empresa nos próximos três anos, sendo que 50% dessas receitas serão provenientes de negócios internacionais.

Fica aqui meu convite para você, empresário. a entrar nessa jornada conosco participando do projeto Lux Brasil que recebe, desde 2011, o fundamental apoio da Apex-Brasil, temos certeza que abrindo as portas da sua empresa para o projeto, alcançarão uma transformação completa.